WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
julho 2018
D S T Q Q S S
« jun   ago »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

:: 10/jul/2018 . 19:14

França derrota a Bélgica e fará a sua terceira final de Copa em 20 anos

Em julho de 1998, o lateral e zagueiro Lilian Thuram, nascido em Guadalupe, fez o que não se esperava dele: anotou dois gols e colocou a França na final da Copa do Mundo.

Vinte anos depois, em julho de 2018, o defensor Samuel Umtiti, filho de Iaundé, capital de Camarões, foi ao ataque e, com uma cabeçada, voltou a colocar a seleção francesa na decisão do Mundial.

Foi o lance que definiu a vitória por 1 a 0 sobre a Bélgica nesta terça (10), em São Petersburgo.

A França espera agora o vencedor do confronto entre Inglaterra e Croácia, que fazem a outra semifinal. A partida será nesta quarta (11), em Moscou, cidade que também receberá o último jogo do torneio, no domingo (15).

Foi uma partida com velocidade, disputada e nervosa. Mas apenas dentro de campo. Com pequeno número de torcedores nas cadeiras da arena de São Petersburgo, belgas e franceses pouco foram ouvidos. Em determinado momento do segundo tempo, a única torcida ouvida foi a brasileira, que tinha ingressos para a partida na esperança de que a seleção de Tite estivesse presente. A Bélgica não deixou que isso acontecesse.

Como a Copa do Mundo é de futebol, não de torcidas, os belgas tinham melhor toque e tentava sair mais para o jogo. Com liberdade de movimentação, Eden Hazard criava problemas todas as vezes que pegava na bola. Duas vezes poderia ter aberto o placar, mas errou o alvo na finalização. Eles perceberam que havia um problema de marcação no setor direito da defesa francesa e tentaram explorá-lo.

Não havia cobertura para Pavard. Mas o lateral francês, quando foi à frente, quase fez o gol aos 39 min do primeiro tempo. Saiu de frente para Courtois, que fez grande defesa.

Quando percebeu que a Bélgica tinha domínio no meio-campo, Griezmann saiu da ponta direita e começou a jogar como meia. Deu uma opção na saída de jogo para sua equipe, já que Pogba, a principal fonte de criatividade francesa, era marcado de perto por Fellaini.

Nenhum dos dois técnicos tentou surpreender o outro. Roberto Martínez não repetiu a fórmula que apanhou Tite desprevenido nas quartas de final. Lukaku, embora tenha saído do centro do ataque em alguns momentos, não foi um ponta, como aconteceu contra o Brasil. De Bruyne foi mais armador que falso 9. A França fazia de tudo para obter um lançamento para Mbappé em velocidade.

Deu certo uma vez antes do intervalo. O atacante cruzou para Giroud, que ainda não fez gols na Copa do Mundo. Ficou explicado o motivo. O centroavante finalizou fraco, mal e sem direção.

A França precisou de apenas uma jogada no segundo tempo para colocar a Bélgica em estado de desespero. Aos cinco minutos, Umtiti se antecipou à zaga adversária na cobrança de escanteio e fez o 1 a 0.

Foi a senha para a equipe de Didier Deschamps recuar, deixar apenas Griezmann ou Mbappé no ataque e esperar para sair em velocidade. Aconteceu três vezes, mas em todas Mbappé tentou o passe em vez do lance individual e nada aconteceu.

A Bélgica precisava cada vez mais de Hazard, e ele buscava a bola e se deslocava. Armada na defesa e pronta para o bote decisivo, a França não dava espaço. A solução belga era tentar os chutes de fora da área (Wietsel e De Bruyne arriscaram três vezes) e fazer cruzamentos para aproveitar as alturas de Fellaini e Lukaku. Para ter mais jogadas de linha de fundo, entrou Mertens.

Era questão de tempo. Não havia resposta que a equipe de Roberto Martinez pudesse fazer para conseguir o empate. A França deixou o jogo correr e até sua torcida encarou a vitória com ar blasé. Pouco importava. Tal qual Thuram há 20 anos, Umtiti foi outro defensor a colocar sua seleção na final da Copa do Mundo. Tolisso ainda desperdiçou uma grande oportunidade para anotar o segundo, nos acréscimos.

Folha

A ativista paquistanesa Malala Yousafzai está no Brasil e visitará Salvador nesta terça

 

Sorrindo nervosa e ajeitando os cabelos com as mãos, Islaine Medeiros, de 17 anos, ainda não acreditava que tinha conseguido falar sobre a vida na sua escola para um de seus maiores ídolos. Enquanto esperava na fila para tirar uma foto com aquela que chama de “inspiração”, a menina de Alagoinhas, na Bahia, perguntava se alguém também havia filmado o encontro.

A “inspiração” de Islaine não é atriz ou cantora, mas a ativista paquistanesa Malala Yousafzai, que participou nesta segunda-feira, 9, de um debate sobre educação no auditório do Ibirapuera, zona sul de São Paulo. Ela estará em Salvador nesta terça-feira (10).

O evento, organizado pelo Itaú Unibanco, era fechado para convidados: a maioria alunos de escolas públicas e ativistas de projetos educacionais. Mas, do lado de fora, famílias tentavam lugar para suas filhas acompanharem a mais jovem vencedora do prêmio Nobel da Paz, em 2014.

“Ela é como uma artista. O talento dela é a coragem, a força, a forma como enxerga a educação”, disse Islaine, que conheceu a história de Malala há poucas semanas, quando ganhou na escola o livro da paquistanesa, baleada pelo grupo extremista Talibã aos 15 anos por se manifestar contra a proibição de educação para mulheres.

Malala contou que veio ao Brasil para “achar meios” de garantir educação para 1,5 milhão de meninas no País que estão fora da escola. “São meninas que estão tendo o seu direito negado, como ocorreu comigo. Quero, junto com vocês, encontrar formas de garantir que tenham acesso a uma educação de qualidade, que significa dar condições a elas de saber ler e escrever e também de sonhar”, afirmou a ativista. A maior parte das jovens fora da escola, ressaltou, são as negras, indígenas e de famílias pobres.

 A solução para o problema no Brasil, defende, está nas próprias comunidades afetadas.

Nívea Reis, de 16 anos, era outra das jovens emocionadas, ao fim do evento. Ela conseguiu contar a Malala sobre o projeto que desenvolve em sua cidade, Andrequicé (MG). Nívea e outros amigos estão alfabetizando idosos do município e buscam apoio da prefeitura para conseguir mais verba. “Às vezes parece impossível fazer com que nossas ideias virem realidade. Ao conhecer a história da Malala e, ao ouvir falar agora sobre a sua vida, me fez ver que não posso desistir. Quero ser forte e corajosa como ela”, diz.

Apesar de ser vista como heroína, Malala fez questão de refutar o título logo no início do debate. “Tantas colegas que estudavam comigo queriam levantar a voz e se manifestar. Não era diferente delas. A minha voz só pôde ser ouvida porque eu tenho pais que são especiais e sempre me apoiaram.”

Malala lembra que a repercussão da sua história fez com que a sua mãe, impedida de ir ao colégio aos 6 anos, pudesse iniciar os estudos. “É o contrário do que acontece na maioria das casas, mas sou eu que leio para a minha mãe. E é uma experiência maravilhosa”, conta.

Para a ativista, a educação igualitária para mulheres precisa entrar na pauta das eleições porque desenvolve economias e democracias. “A igualdade pressupõe também responsabilidades iguais e queremos compartilhar isso com eles.”

Correio

  • CHOCOLATE DE ILHÉUS APARECE ENTRE OS SETE MELHORES DO MUNDO
    16 de Março de 2018 | 15:50

    Um mais importantes jornais do sul do País, o Gazeta do Povo, de Curitiba, publicou ontem (13) reportagem especial, em seu caderno de turismo “Viver Bem”, que aponta Ilhéus entre as sete cidades produzem alguns dos melhores chocolates do mundo e são inspirações para o destino de férias de quem ama a iguaria. Reportagem assinada […]

    No Comments

  • PGR recorre de decisão e pede restabelecimento de condução coercitiva
    14 de Março de 2018 | 09:48

    A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, recorreu de decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que, por meio de liminar concedida em dezembro, proibiu a condução coercitiva de investigados para interrogatório em todo o País. O recurso foi enviado ao ministro, relator do caso, nesta segunda-feira (12). A determinação de Gilmar atendeu […]

    1 Comment

  • RSSArchive


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia