[Sem vencer com o 'time B', Prates projeta evolução:

Atlético e Bahia fizeram um início de jogo eletrizante nesta quarta-feira (6). Mas, após os dois gols nos primeiros dez minutos, Tricolor e Carcará não conseguiram alterar o placar e ficaram no empate de 1 a 1, pela 4ª rodada do Campeonato Baiano.

Após a partida, o técnico auxiliar, Cláudio Prates, demonstrou sua preocupação com os resultados do “time B” em campo. “Tem bastante campeonato, mas a luz já está ligada. A gente sabe que tem que pontuar. Hoje era jogo para pontuar e a gente entrar com mais força no G-4. A gente sabia do risco que estava correndo nesse sentido. Muitos sentiram até falta de ritmo de jogo. As vezes a falta também prejudica”.

Assim como o presidente Guilherme Bellintani, o treinador pontuou a atuação da arbitragem durante o confronto diante do Carcará. Lances polêmicos marcaram a partida que, segundo o treinador, influenciaram no placar final.

“Vocês vão me ver falar muito pouco [da arbitragem]. Hoje fiz questão de pegar com os analistas as imagens. Foi muito claro. A bola não saiu e o pênalti foi mais claro do que o que eles tiveram. Procuro cobrar mais dos jogadores do que da arbitragem, falei que os atletas poderiam dar mais, mas foram lances capitais”.

Para finalizar, o comandante falou sobre a etrada de Rodrigo. “Esperava que ele fosse um pouco mais agudo, tivesse uma transição melhor, não conseguiu, mas é um atleta que a gente espera que ele consiga ajudar mais. Quem entra, tem que entrar com um gás a mais e decidir, vamos trabalhar, continuar com a cabeça boa. A gente sabe que a cobrança é grande e eles têm que assumir isso”.

Com o resultado, o Esquadrão somou só um ponto, foi aos cinco, mas subiu na classificação e assumiu a terceira colocação, à frente de Fluminense e Jequié, que também têm cinco, no saldo de gols. Pelo Estadual, a equipe de Salvador volta a campo domingo (10), contra o Jacobina, na Arena Fonte Nova.