WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Blog

Coreia do Sul faz disparos de advertência contra avião militar russo em área disputada

Coreia do Sul faz disparos de advertência contra avião militar russo em área disputada

Foto: Estado-Maior Conjunto, Ministério da Defesa via AP

Caças sul-coreanos efetuaram mais de 400 disparos de advertência depois de um avião militar russo supostamente invadir o espaço aéreo de uma região disputada entre Coreia do Sul e Japão nesta terça (23). O incidente ocorreu perto das Ilhas Dokdo, reivindicadas sob o nome de Takeshima por Tóquio, que acusa a Coreia do Sul de ocupá-las ilegalmente. A região é um conjunto de pequenas ilhas localizada no mar do Japão, cuja população em 2013 era de 47 pessoas.

Seul afirmou que um caça russo A-50 entrou duas vezes no espaço aéreo sul-coreano perto das ilhas. Como resposta, caças do país foram despachados e efetuaram mais de 400 disparos de advertência. O Exército russo negou ter violado o espaço aéreo sul-coreano, assegurando que seus aviões “sobrevoaram as águas neutras do mar do Japão”. A Rússia disse ainda que não houve disparos de advertência pela Coreia do Sul, e que os pilotos sul-coreanos não tentaram entrar em contato com a tripulação russa.

A aeronave russa estava acompanhada por dois bombardeiros também russos TU-95 e mais dois aviões do mesmo tipo chineses, modelo H-6. A empreitada marca um aumento na cooperação militar entre Pequim e Moscou. Embora tropas e navios da Rússia e da China tenham participado de treinamentos de guerra conjuntos antes, os países não tinham feito, segundo o Ministério da Defesa russo, patrulhamentos aéreos conjuntos na região da Ásia-Pacífico até esta terça.

“A patrulha conjunta foi realizada com o objetivo de aprofundar as relações sino-russas dentro de nossa parceria abrangente, de aumentar ainda mais a cooperação entre nossas forças armadas e de aperfeiçoar suas capacidades para realizar ações conjuntas e fortalecer a segurança estratégica global”, informou o ministério russo em um comunicado.

“Estamos avaliando este incidente de forma muito séria e tomaremos medidas mais duras se isso acontecer novamente”, disse o assessor de Segurança Nacional Chung Eui-yong, de acordo com a porta-voz da Casa Azul, a presidência sul-coreana.

O Japão também reclamou da incursão russa. “Fomos informados que aviões militares russos que sobrevoavam o mar do Japão esta manhã violaram nosso espaço aéreo perto de Takeshima duas vezes”, disse o chefe de gabinete do governo japonês, Yoshihide Suga, em entrevista para jornalistas.

Suga, que disse que o Japão enviou aviões militares para a zona, acrescentou que Tóquio também protestou junto à Coreia do Sul pelo despacho dos caças, considerando a atitude lamentável. A presidência sul-coreana insiste que as ilhotas disputadas são “uma parte integral” do território coreano “historicamente, geograficamente e sob o direito internacional”.

O desentendimento vem em um momento no qual Japão e Coreia do Sul enfrentam crise diplomática gerada por uma questão antiga -a indenização a vítimas de trabalhos forçados durante a ocupação japonesa da Coreia do Sul na Segunda Guerra Mundial.

Em outubro de 2018, um júri sul-coreano determinou que quatro coreanos forçados a trabalharem em uma usina siderúrgica japonesa naqueles anos deveriam ser recompensados financeiramente. O Japão argumenta que a questão da compensação foi resolvida em um acordo entre os dois lados em 1965.

No dia 4 de julho, entraram em vigor medidas japonesas que restringem a exportação de materiais empregados em telas e chips de smartphones das gigantes coreanas Samsung e LG. Analistas veem a atitude como retaliação japonesa à decisão da corte coreana.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar