Irmã Dulce será proclamada Santa pelo Vaticano

Foto: Divulgação / Osid

Também conhecida como o “anjo bom da Bahia” por suas obras de caridade no estado, a beata Irmã Dulce será proclamada como Santa. A condecoração foi autorizada pelo Papa Francisco e anunciada nesta terça-feira (14) pelo portal de notícias do Vaticano.

 

A informação oficial afirma que a proclamação vai ocorrer em “solene celebração de canonizações”, mas a data ainda não foi anunciada.

 

Registrada como Maria Rita Lopes de Sousa Brito, Irmã Dulce nasceu em 26 de maio de 1914 e faleceu em 22 de maio de 1992. Em 2011, ela já havia sido condecorada pelo Vaticano com a beatificação.

 

MILAGRES

O processo de canonização de Irmã Dulce teve início em janeiro de 2000 e ela passou a ser chamada de Serva de Deus. Já a validação jurídica do virtual milagre foi emitida pela Santa Sé em junho de 2003. Seis anos depois, em abril de 2009, o então Papa Bento XVI reconheceu as virtudes heróicas de Irmã Dulce  e a concedeu o título de Venerável.

 

Já o processo de beatificação foi iniciado a partir de outubro de 2010, quando a Congregação para a Causa dos Santos reconheceu, de forma unânime, a autenticidade de um milagre atribuído a ela. O milagre em questão ocorreu no município sergipano de Itabaiana, em 2001. Abençoada pelo ato sagrado, Cláudia Cristina dos Santos afirma que sofreu uma forte hemorragia durante 18 horas, tendo sido submetida a três cirurgias na Maternidade São José, após o parto de seu segundo filho, Gabriel.

 

Para o médico dela, apenas “uma ajuda divina” poderia salvar a mulher. A família dela, então, pediu apoio ao padre José Almí, que fez uma corrente de oração pedindo a intercessão de Irmã Dulce e deu a Cláudia uma pequena relíquia da freira. Com isso, a mulher conta que a hemorragia cessou subitamente.

 

O caso dela foi analisado por 10 peritos médicos brasileiros e sete italianos, mas nenhum deles soube explicar o porquê da melhora repentina. Depois disso, teólogos e o colégio cardinalício também analisaram o caso e todos foram unânimes em reconhecer o milagre. Dessa forma, em 10 de dezembro de 2010, o Papa Bento XVI autorizou a transformação da Venerável em Beata. A cerimônia de beatificação de Irmã Dulce foi realizada no dia 22 de maio de 2011, no Parque de Exposições do Salvador.

 

VIDA OBRA

A biografia da beata soteropolitana ressalta que desde a infância ela já demonstrava sua vocação para trabalhar em benefício dos mais pobres. Aos 13 anos, ela passou a acolher mendigos e doentes em sua casa, o que transformou a residência da família, no bairro de Nazaré, num centro de atendimento. Também nessa época, ela começou a demonstrar interesse em seguir a vida religiosa.

 

Então, anos depois, logo após se formar como professora, Maria Rita entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, em Sergipe. Já como irmã sua primeira missão foi ensinar em um colégio mantido pela congregação, no bairro da Massaranduba, em Salvador.

 

Sempre com o intuito de ajudar a população carente, Irmã Dulce passou a atuar com o grupo de assistência à comunidade de Alagados, o conjunto de palafitas no bairro de Itapagipe, e também a atender os operários do bairro, criando um posto médico e fundando, em 1936, a União Operária São Francisco. Daí em diante foram diversos feitos sociais.

 

Figura histórica no mundo, Irmã Dulce é sempre lembrada na Bahia com a associação Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), que presta atendimentos na Av. Dendezeiros, na capital baiana. O espaço funciona como um complexo de saúde, com cerca de 3,5 milhões de atendimentos ambulatoriais gratuitos por ano a idosos, pessoas com deficiência, pacientes sociais, pessoas em situação de rua, usuários de substâncias psicoativas e crianças e adolescentes em situação de risco social.